Mosap participa de sessão em homenagem ao Dia Nacional do Aposentado no Senado Federal

O Instituto Mosap, representado pelo seu presidente, Edison Haubert, participou na manhã desta segunda-feira, 22/02, com cerca de 300 aposentados e pensionistas, de uma missa na Catedral de Brasília em Homenagem aos Aposentados e Pensionistas. Após ato religioso, os aposentados se concentraram em frente ao templo cristão e impediram o trânsito de pelo menos duas, das cinco faixas do Eixo Monumental, o que causou transtorno e barulho no centro político.

Rumo ao Congresso Nacional, desceram em passeata entoando o grito “Aposentados unidos, jamais serão vencidos”. Uma enorme faixa contra a Reforma da Previdência foi carregada frente à manifestação popular. O ato no Eixo Monumental terminou em frente ao Senado, onde os manifestantes participaram da Sessão no plenário, em Homenagem aos Aposentados e Pensionistas.

Representantes da COBAP, de federações e associações de aposentados lotaram o Senado Federal e exigiram que não seja feita reforma na Previdência. O senador Paulo Paim (PT-RS), que teve a iniciativa da sessão e a presidiu, disse que vai combater duramente esse reforma, que está prestes a ser encaminhada ao Congresso Nacional pela Presidência da República. Paim fez ainda um discurso em nome do presidente da Casa, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), em que este apontou a necessidade de recompensar os aposentados com uma política pública de efetiva proteção social como está na Constituição. Segundo Paim, que se posicionou radicalmente contrário à proposta do governo de reformar a Previdência, os problemas do sistema previdenciário brasileiro são as sonegações, "a roubalheira” e a inadimplência. "A quem interessa a mentira, e eu desafio qualquer um a fazer esse debate comigo; do rombo das contas da seguridade? Não existe! Por favor", protestou o senador.

.

Para Paim e para os aposentados que estiveram presentes na audiência, essa reforma interessa aos bancos, que querem privatizar todo o sistema de previdência. As senadoras Ana Amélia (PP-RS) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) também participaram da sessão e se posicionaram contra a reforma previdenciária. Não é com aumento de impostos que nós vamos resolver os problemas nacionais e nem tampouco penalizando ainda mais esta classe que está aqui. Não é penalizando e, sobretudo, tirando direito adquirido, que nós vamos resolver os problemas do país – afirmou Ana Amélia. Se nós lutamos para que o aposentado tenha hoje o nível de reajuste salarial igual ao nível que tem o salário mínimo, lá, do outro lado, tem gente querendo fazer uma reforma previdenciária para tirar ainda mais direitos dos aposentados e, principalmente das mulheres. Nós não vamos permitir – disse Vanessa.

A sessão de homenagem ao Dia do Aposentado, celebrado em 24 de janeiro, foi aproveitada pelos representantes dos aposentados para criticar a reforma da previdência e para defender a aprovação de propostas que tramitam na Câmara. O presidente do Instituto Mosap se referiu ao Projeto de Lei (PL) 4434/2008, que dispõe sobre o reajuste dos benefícios mantidos pelo regime geral de Previdência Social, e a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 555/2006, que revoga dispositivo da Emenda 41, promulgada em 2003, acabando com a contribuição de inativos. O dirigente se posicionou contra a nova reforma da previdência, em especial contra a unificação das idades para homens e mulheres, ferindo a dignidade das mulheres, penalizando-as em tese, com mais 10 (dez) anos em atividade e contribuindo. Ainda citou a oportunidade da união entre os servidores públicos aposentados e os trabalhadores aposentados do regime geral, através do Movimento Unificado de Aposentados, Pensionistas e Idosos do Serviço Público e do INSS – UNA-SE, coordenado pelo Instituto Mosap e pela Cobap. Paim ainda fez um apelo à presidente Dilma Rousseff para que reveja a decisão de enviar ao Congresso a proposta de reforma da Previdência, prevista para abril ou maio.