UNA-SE revigorado busca a junção de todas as entidades brasileiras contra a reforma da Previdência

Com a missão de combater a retirada de direitos prevista na reforma previdenciária, o UNA-SE (Movimento Unificado de Aposentados, Pensionistas e Idosos do Serviço Público e do INSS) retornou suas atividades com força total em 2017. Na tarde da última quarta-feira, 18 de janeiro, dirigentes de diversas entidades reuniram-se na sede do MOSAP, em Brasília, para deliberar estratégias e organizar a luta contra a PEC 287/2016.  

“Nossa causa é comum. Evitar que milhões de brasileiros tenham seus direitos retirados. Precisamos da união de todos”, disse o presidente do MOSAP (Movimento Nacional dos Servidores Públicos Aposentados e Pensionistas), Edison Guilherme Haubert. Da mesma opinião compartilha o líder da COBAP (Confederação Brasileira de Aposentados e Pensionistas do INSS), Warley Martins, que propôs a realização de manifestações em todo o território nacional encabeçadas pelo UNA-SE e suas entidades irmanadas. Vilson Romero, presidente da ANFIP, disse que a Reforma da Previdência implode o Estado do Bem Estar Social trazido pela Constituição, ao promover mudanças profundas tendo como paradigma a ditadura demográfica, da mudança da pirâmide etária.

 

Fortalecida e encorpada, a direção do UNA-SE deliberou uma série de ações urgentes a serem aplicadas:

 

1)    Realização de Audiência Pública no dia 13 de fevereiro no Congresso Nacional precedida de Missa na Catedral de Brasília e passeata na Esplanada dos Ministérios;

2)    Abertura de uma CPI nas contas da Previdência Social;

3)    Publicação de um comunicado conjunto de todas as entidades na imprensa no Dia Nacional do Aposentado (24 de janeiro);

4)    Convidar CNBB, Centrais Sindicais, OAB e Fórum Sindical dos Trabalhadores para marchar junto ao UNA-SE;

5)    Reativar as Frentes Estaduais de Previdência nas Assembleias Legislativas, conquistando o apoio dos parlamentares em todas as esferas;

6)    Ver a possibilidade da produção e veiculação em massa de vídeo explicativo sobre a verdade nas contas na Previdência, provando que é superavitária;

7)    Analisar de forma criteriosa a possibilidade de incluir emendas na PEC 287, favoráveis aos servidores públicos e contribuintes do INSS;

 

Participaram da reunião os representantes da Cobap, Sindilegis, FAP/DF, APCF, Unafisco Nacional, Sindifisco Nacional, OAB/DF, IBDP, Asaprev/DF, Anfip, Sinait e Asdner.