wigs for women wigs for women wigs for women wigs for women wigs for women wigs for women wigs for women wigs for women wigs for women wigs for women wigs for women paula young wigs wigs wig shampoo short hair wigs wigs wigs
Mosap coleta em tempo recorde assinaturas na emenda que suprime a contribuição dos aposentados e pensionistas do serviço público

Mosap coleta em tempo recorde assinaturas na emenda que suprime a contribuição dos aposentados e pensionistas do serviço público

Em meio à correria para coleta de assinaturas nas emendas à PEC 287/2016, nesta terça-feira, 14 de março, o Instituto Mosap consegue em tempo recorde 219 assinaturas válidas e sai na frente em busca da extinção da contribuição de aposentados e pensionistas do serviço público.

A emenda elaborada pelo Instituto e apresentada pelo Deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), busca dar fim a contribuição que já tramita como PEC 555/06 a mais de 10 anos na Casa. Os dirigentes buscaram trazer no texto da emenda apresentada, todos os recursos possíveis para o bom entendimento dos parlamentares e demostraram não apenas o pequeno impacto com o fim da contribuição, mas também que ele será escalonado. Diversas emendas foram apresentadas, entidades civis e parlamentares da base e de oposição buscaram alterar de alguma forma o texto enviado pelo Palácio do Planalto.

Ou seja, ninguém ficou contente. A sociedade brasileira já disse NÃO e sua vontade está refletindo nas atitudes dos parlamentares, que temem não se reelegerem em 2018. 

O prazo para sugestão de emendas foi prorrogado até a próxima sexta-feira, 17 de março. A direção do Mosap defende a manutenção de todos os direitos adquiridos por aposentados, trabalhadores ou pensionistas e exige que a Constituição seja cumprida a risca.   

A PEC estipula a idade mínima de 65 para a aposentadoria de todos os trabalhadores, mas diversos deputados apresentaram outras fórmulas. Uma das alternativas propostas é de 65 anos para homens e 60 anos para mulheres. Uma emenda ainda possibilita homens de 60 anos se aposentarem, desde que tenham contribuído por 35 anos, e mulheres de 55 anos que tenham pago a Previdência por 30 anos.

Paulinho da Força, por exemplo, propôs a aposentadoria aos 58 anos para mulheres e aos 60 anos para homens. O parlamentar ainda deseja alterar a regra de transição, que na PEC vale para mulheres a partir de 45 anos e homens a partir de 50 anos. Essa emenda cria uma contribuição adicional de 30% do tempo que falta para a aposentadoria, para todos os trabalhadores, independentemente da idade.

Uma outra emenda, de iniciativa de Domingos Neto (PSD-CE), propõe que a idade mínima de corte para o regime de transição seja igualada em 45 anos, valendo tanto para homens quanto para mulheres, "por ser mais justo do que a proposta do governo de 50 anos para homens e 45 anos para mulheres".

Também há emendas com regras especiais para profissões de risco, como policiais, e para atividades que tragam risco à saúde ou à integridade física dos segurados. Vários parlamentares propõem ainda regras especiais para a aposentadoria de professores: 55 anos para homens e 50 para mulheres.

Manutenção

Diversas emendas apresentadas defendem a manutenção das regras atuais - de contribuição e de idade - para a aposentadoria rural, com o argumento de que a PEC, ao igualar a Previdência do campo com a urbana, ignora as diferenças sociais entre esses grupos de trabalhadores.

Vários parlamentares também pedem que o piso do pagamento de pensão por morte não possa ser inferior a um salário mínimo, ou ainda que seja equivalente a 100% do valor da aposentadoria do segurado, e não 50% do valor da aposentadoria do segurado mais 10% para cada dependente, como está na PEC.

Muitas das emendas pedem que o Benefício da Prestação Continuada (BPC), pago a portadores de deficiências e idosos de baixa renda, também seja mantido em pelo menos um salário mínimo, ao contrário da proposta de reforma, que estipula uma remuneração menor que o piso. A mudança de idade mínima de 65 anos para 70 anos no caso do BPC para idosos também é rechaçada por esses deputados.

PIS

Há ainda uma emenda que prevê a edição de uma lei complementar de iniciativa do Poder Executivo para instituir alíquotas adicionais progressivas para a contribuição social do empregador ao Programa de Integração Social (PIS), incidentes sobre o faturamento, nos casos em que houver situações de automação que causem demissões coletivas com grande impacto no nível de emprego.

Essa mesma emenda, que é de autoria do deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), exclui da Desvinculação de Receitas da União (DRU) as contribuições sociais destinadas ao custeio da Seguridade.